O sujeito oculto

O senador Romeu Tuma (PTB), 79 anos, morreu na tarde desta terça-feira, 26, em São Paulo. Ele estava internado no Sírio-Libanês.

A morte de Tuma acontece exatamente um mês e dez dias após o Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP) oferecer denúncia à Justiça Federal contra o ex-governador de São Paulo, deputado federal Paulo Maluf (PP-SP), e o senador Romeu Tuma por ocultação de cadáveres durante o período da ditadura militar no Brasil (1964-1985).

O MPF-SP pedia a Justiça de Maluf e Tuma perdessem suas funções públicas e, também, o direito as aposentadorias. O requerimento pedia ainda que fossem condenados a reparar damos morais coletivos, mediante indenizações de no mínimo 10% do patrimônio pessoal de cada um.

Formado em direito pela PUC-SP, investigador da Polícia Civil de São Paulo, a partir de 1952, e delegado de polícia (1969), Tuma ingressou no Departamento Estadual de Ordem Política e Social (Dops) em 1966.

O órgão é um dos principais responsáveis pela repressão no período da ditadura militar brasileira. Lá, Tuma permaneceu por 17 anos, assumindo o cargo de diretor em 1978, no qual permaneceu até 1983. Em 1985 foi nomeado diretor-geral da Polícia Federal, onde ficou até 1992.

Na tarde desta terça-feira, morreu com ele mais uma oportunidade de se fazer justiça às vítimas daquele período.

*Com informações do Globo Online, Folha de São Paulo e Wikipédia.

Movimentos 3.3

Já está nas bancas a revista Brasileiros de outubro, com um perfil do ex-capitão do Bope, Rodrigo Pimentel, feito pelo amigo aqui. A matéria está disponível na edição online e impressa. Quem não tiver paciência para ler na tela, pode ir às bancas.

Abaixo um pequeno trecho.

* * *

Não faça movimentos bruscos

Rodrigo Pimentel desembarca de um utilitário preto, pilotado por sua mulher, em frente ao prédio de classe média alta, às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, Zona Sul do Rio. Veste jeans e camisa de malha cinza claro. Sorri e circula o carro sem olhar em volta nem demonstrar tensão. Na portaria, faz as vezes de cicerone. Explica que o apartamento está em obras, pede desculpas e aponta um canto tranquilo na espaçosa recepção. Acomodo-me em um sofá; ele escolhe uma cadeira e logo descobre que ela tem defeito em um dos braços.

“Vou ficar segurando aqui para não pegar mal”, ri, enquanto estica a tira de couro que serviria de apoio ao braço esquerdo. “Relaxa. Depois alguém conserta isso”, minimizo. “Quem tem de mandar consertar é o síndico. E o síndico sou eu”, faz a primeira de uma série de confissões.

Atuando em várias frentes, Pimentel não foi “capturado” com facilidade para as páginas da Brasileiros. A função doméstica (que inclui desde pensar no restauro dos quadros do hall ao posicionamento das novas câmeras de segurança do edifício) explica um pouco por que foram necessárias dezenas de ligações, oito adiamentos e uma série de e-mails e torpedos em um período de três meses. Como em um jogo de xadrez, conseguir uma conversa com ele requer estratégia e paciência. O rádio e o telefone do entrevistado não param. Do outro lado da linha, estão policiais civis e militares querendo passar novas histórias. E elas são muitas, como as que vêm a seguir.

Leia mais aqui.

Amarguras do coração

Não conhecia. Cheguei até ele através de um link postado pelo Inagaki, no Google Buzz. A atualização não é lá muito rígida, mas histórias como a do ‘Coração amargurado’ valem a visita ao blog do Drauzio (ele mesmo, o médico). Coloco aqui um aperitivo…

* * *

Entrei no táxi falando no celular. Quando desliguei, percebi que o motorista me olhava de soslaio:

– O senhor não é aquele médico que dá conselho na televisão?

Pensei em explicar que não eram conselhos, mas concordar simplificava.

Assim que comecei a digitar os números do telefonema seguinte, ele interrompeu com delicadeza:

– O senhor teria paciência para ouvir um coração amargurado?

Em meu lugar, leitor, você diria não?

*Se eu fosse você, iria lá ver o final dessa história.

#SWU

@beronio
Que dia surreal ontem no SWU. Eu simplesmente entrei na área premium como O Impostor, falando no celular e mostrando um Trident pra moça!

@BartBarbosa
Engarrafamento monstro na saida do #swu Parado hà horas em pé no onibus no meio do nada

@BartBarbosa
SWU – A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DE ‘A FAZENDA’ (PARTE I) http://nblo.gs/8YwqZ

@LuzinhaR
O repórter do Terra que ta cobrindo o #SWU teve a coragem de dizer que Jota Quest e Capital Inicial foram as melhores atrações de ontem…

@screamyell
SWU: cenário de festa ou de caos? http://screamyell.com.br/blog/2010/10/10/swu-cenario-de-festa-ou-de-caos/

@stevillar
Frio e fome é pros fracos #SWU du caralho!

@tania_assumpcao
RT @roussille: Alguém se interesse por ingresso pra #SWU de hoje por 100?

@JuliaMDAO
Caraca show perfeito da Joss Stone ontem no #SWU Arrasou! O evento foi louco. Muita infra estrutura e organização. Valeu muito!

@pabloalmeida
Resumindo: o #SWU é um evento caça-níquel. Daqueles que serão lembrados apenas como mais 1 tentativa frustrada de conscientizar as pessoas!

@UlissesCordeiro
Ouvido zunindo até agora… #SWU

In memorian 2

O compositor e sambista Alcino Correira Ferreira, o Ratinho, de 62 anos, morreu no início da tarde deste domingo no Hospital municipal Salgado Filho, na Zona Norte do Rio. Ele estava internado na unidade desde a manhã de sábado. A causa da morte não foi divulgada pela Secretaria municipal de Saúde.

Entre os sucessos do compositor, está “Vai vadiar”, feita com Monarco, mas que fez sucesso na voz de Zeca Pagodinho, outro parceiro. Ratinho – que nasceu em Portugal e veio para o Brasil aos quatro anos de idade, passando a morar em Pilares – também foi sete vezes campeão de samba-enredo pela Caprichosos de Pilares.

Este ano ele lançou o CD “O rato sai da toca”, com composições interpretadas pelo próprio sambista.

Com informações do Globo Online

In memorian

O músico americano Solomon Burke, conhecido como o ‘rei do rock and soul’ e autor de sucessos como “Cry to me” e “It must be love”, morreu neste domingo, aos 70 anos, no aeroporto de Schiphol, em Amsterdã (Holanda). Burke faleceu por causas ainda desconhecidas logo após desembarcar de um voo procedente de Los Angeles (EUA).

Burke é considerado um dos “pais” do soul junto com Ray Charles e Sam Cooke desde os anos 50, época na qual os três músicos transgrediram as regras que separavam o gospel do R&B. Após seu clássico “Tonight’s the night”, compôs em 1964 “Everybody Needs Somebody to Love”, hit que foi também interpretado por Rolling Stones, Wilson Pickett e The Blues Brothers, entre outros.

O músico americano deixa um legado musical de 35 álbuns e mais de 17 milhões de cópias vendidas. Um de seus maiores “admiradores” foi o papa João Paulo II, que o convidou a visitá-lo no Vaticano em várias ocasiões.

Burke tinha 21 filhos, 90 netos e 19 bisnetos, segundo seu site oficial.

Com informações da Agencia EFE

Pingo é letra

Não, este Café Escuro não se meterá a fazer aqui análises políticas. A listagem disposta abaixo é apenas uma consideração superficial (e nada imparcial) sobre a contagem dos nossos dramas. Provavelmente a única e última neste sentido.

No cenário de terra arrasada em que se transformou esta eleição, para o país de um modo geral, se considerarmos especificamente o caso do Rio de Janeiro, dedicando especial atenção a listagem dos NÃO eleitos, veremos que nem tudo está perdido*.

Avaliem:

NÃO ELEITOS PARA O SENADO

JORGE PICCIANI (PMDB)             3.048.034       20,73
CESAR MAIA (DEM)                        1.627.050       11,06
WAGUINHO (PTdoB)                      1.295.946           8,81

NÃO ELEITOS PARA O CONGRESSO

NELSON BORNIER (PMDB)                72.352           0,90
MARCELO ITAGIBA (PSDB)               61.973           0,77
LAURA CARNEIRO (PTB)                   29.354           0,37
ELYMAR SANTOS (PP)                        26.742           0,33
SOLANGE AMARAL (DEM)                26.529           0,33
EURICO MIRANDA (PP)                     17.228           0,22

NÃO ELEITOS PARA ALERJ

CORONEL JAIRO (PSC)                           38.791        0,47 (ele entrou)**
VERONICA COSTA (PR)                          25.594        0,31
GERALDO PUDIM (PR)                            24.492        0,30
MYRIAN RIOS (PDT)                                22.169        0,27 (ela também)**

* Por outro lado, se pensarmos na quantidade de votos que os candidatos citados receberam, veremos que ainda temos muito chão pela frente.

** Daqui a pouco terei que fazer um outro post reconsiderando as considerações acima. Triste.