eu também grito

Assisti somente ontem ao documentário ‘Jards Macalé – Um morcego na porta principal’, que ganhei de presente de aniversário há quase dois meses.

Não sei o por quê da demora, nem a razão de não ter visto o filme de Marco Abujanra e João Pimentel no cinema. Mas entre os muitos bons momentos do doc, destaco um trecho com um vídeo do poeta Wally Salomão recitando ‘Poema Jet Legged’, com Gal Costa cantando ‘Vapor barato’ ao fundo*.

É preciso estar bem de espírito para ver isso. Ainda assim, por mais acachapante que seja o que o poeta grita ali (e o que a cantora berra ao fundo), não há como a tristeza não ser balançada por uma euforia nervosa. Chamar de ‘sentimento contraditório’ é deixar algo indefinido.

Fôlego.

_ _ _

Poema Jet Legged

Viajar para que e para onde,
se a gente se torna mais infeliz
quando retorna?
Infeliz e vazio, situações
e lugares desaparecidos no ralo,
ruas e rios confundidos, muralhas, capelas,
panóplias, paisagens, quadros,
duties frees e shoppings…

Grande pássaro de rota internacional sugado
pelas turbinas do jato.

E ponte, funicular, teleférico, catacumbas
do clube do vinho, sorbets, jerez, scanners,
hidrantes, magasin d’images et de signes,
seven types of ambiguity, todas as coisas
perdem as vírgulas que as separam
explode-implode um vagão lotado de conectivos
o céu violeta genciana refletido
na agulha do arranha-céu de vidro

Mas ficar para que e para onde,
se não há remédio, xarope ou elixir,
se o pé não encontra chão onde pousar,
embora calçado no topatudo inglês
do Dr. Martens

(Wally Salomão)

*(a qualidade precária do vídeo deve-se ao fato de eu ter filmado a tela do computador)

Anúncios

Sinais

Eram três. Uma parecia dizer algo e gesticulava muito. Como estava longe, não conseguia ouvir nada. A que estava ao lado, de óculos escuros, colocava a mão na mão daquela que gesticulava, como se a tentasse interromper.

Pareciam um tanto irritadas, considerando o gesticular de uma e a insistência daquela de óculos escuros em interromper os gestos da outra. A terceira estava mais à frente e, de vez em quando, olhava para trás, como se quisesse entender o que acontecia.

Precisei de alguns minutos para entender que as três senhoras eram mudas. E a de óculos escuros cega. E para que essa entendesse o que a outra dizia, precisava pôr suas mãos nas mãos da primeira. Eram os sinais de libras lidos no tato.