Ogan toca pra Ogum

Oração a São Jorge

Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam, e nem em pensamentos eles possam me fazer mal.

Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrem sem o meu corpo tocar, cordas e correntes se arrebentem sem o meu corpo amarrar.

Jesus Cristo, me proteja e me defenda com o poder de sua santa e divina graça, Virgem de Nazaré, me cubra com o seu manto sagrado e divino, protegendo-me em todas as minhas dores e aflições, e Deus, com sua divina misericórdia e grande poder, seja meu defensor contra as maldades e perseguições dos meu inimigos.

Glorioso São Jorge, em nome de Deus, estenda-me o seu escudo e as suas poderosas armas, defendendo-me com a sua força e com a sua grandeza, e que debaixo das patas de seu fiel ginete meus inimigos fiquem humildes e submissos a vós. Assim seja com o poder de Deus, de Jesus e da falange do Divino Espírito Santo.

São Jorge Rogai por Nós.

Oração a São Jorge II

São Jorge, cavaleiro corajoso, intrépido e vencedor; abre os meus caminhos, ajuda-me a conseguir um bom emprego; faze com que eu seja bem quisto por todos superiores, colegas, e subordinados; que a paz, o amor e a harmonia estejam sempre presentes no meu coração, no meu lar e no meu serviço; meus inimigos terão os olhos e não me verão, terão boca e não me falarão, terão pés e não me alcançarão, terão mãos e não e não me ofenderão.

São Jorge vela por mim e pelos meus, protegendo-me com suas armas.

O meu corpo não será preso nem ferido, nem meu sangue derramado; andarei tão livre como andou Jesus Cristo nove meses no ventre da Virgem Maria.

Amém.

Oração a São Jorge III

Ó Deus onipotente, que nos protegeis pelos méritos e as bênçãos de São Jorge.

Fazei que este grande mártir, com sua couraça, sua espada, e seu escudo, que representam a fé, a esperança, e a inteligência, ilumine os nossos caminhos…

Fortaleça o nosso ânimo nas lutas da vida. Dê firmeza à nossa vontade, contra as tramas do maligno, para que, vencendo na terra, como São Jorge venceu, possamos triunfar no céu Convosco, e participar das eternas alegrias.

Amém!

Toca no vazio

Não está certo. Era preciso um cuidado maior com o disco, um dos melhores de 2009. Mas ainda vale o alerta: comprem, peguem emprestado, baixem, copiem e ouçam ‘Sem nostalgia’, de Lucas Santtana (Diginóis).

Pesquei das prateleiras há coisa de um mês e tal, muito pelo pouco que já tinha ouvido (e gostado) dos trabalhos anteriores do baiano. Um susto. Rodou dezenas de vezes, mas a sensação de surpresa não se desfaz.

O texto deveria ter saído antes, mas a cada audição a inspiração tomava um rumo diferente. Empaquei. Abandonei a ordem linear e parti para a randômica. Confusão.

‘Sem nostalgia’ tem o mérito de não parecer com nada. Talvez nem seja por meter o bedelho sem preconceito em diversas searas, coisa que cada vez mais gente tem feito. Funk, eletrônica, algo da velha bossa e passos, saltos adiante — tudo junto e misturado. A brincadeira é toda em cima do violão, voz e MPC, que formam uma espécie de manta sonora com o auxílio de ruídos aleatórios.

A abertura com Super Violão Mashup é um gancho sem possibilidade de defesa. Ouça no volume máximo e tente imaginar Fatboy Slim perdido no baile da Furacão na Riosampa. “Ih, caraca!”

Entre um intervalo e outro, lembrei de ‘O Bidu: Silêncio do Brooklin’, de Jorge Ben. Há ecos fortes em Cira, Regina e Nana e também Amor em Jacumã (Dom Romão e Luiz Ramalho).

Na primeira, é possível ouvir a lixa alisando o coração que ‘toca no vazio’. Repare.